Ir para o conteúdo Acessibilidade

Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.
Consulte a Política de Privacidade para obter mais informações.

Estereótipos e Pessoas com Deficiência – Em alusão ao Dia Internacional das Pessoas com Síndrome de Down

Publicado em 31/03/2022

É muito comum na vida das pessoas com deficiência percepções de que são “guerreiras”, “vencedoras”, que se “superam” a todo instante. Assim como também é bastante comum as pessoas com deficiência serem consideradas como “frágeis”, “indefesas” ou “angelicais”.

Essas considerações, sejam boas ou ruins, positivas ou negativas, são denominadas estereótipos. De acordo com o historiador Sander Gilman (1985), os estereótipos são representações mentais e culturais que criamos a todo momento para darmos conta das diferentes realidades que nos circundam. Nesse sentido, os estereótipos não são benéficos ou maléficos em si mesmos, mas dependem dos contextos políticos e históricos em que se inserem ou emergem.

Nesse sentido, corpos e comportamentos que fujam das expectativas ou da “normalidade” são alvos dos mais diversos estereótipos e representações culturais.

As pessoas com Síndrome de Down, muito por conta de sua aparência e formas de se comportar, são constantemente inferiorizadas e consideradas totalmente incapazes. Por outro lado, essas mesmas considerações, acabam se tornando exaltações e elogios quando elas acessam espaços políticos e ascendem social e culturalmente.

A pesquisadora Anahi Guedes de Mello (2019) nos dá um exemplo etnográfico interessante. Segundo seu relato em artigo, enquanto esperava um voo no aeroporto, uma moça passava pelo local. Andando elegantemente em saltos altos, ganhava os olhares das pessoas. Foi aí que Mello percebeu que a moça era uma pessoa com Síndrome de Down e entendeu o motivo dos olhares curiosos que as pessoas no aeroporto lhe lançavam. Sua confiança e postura diante da multidão colocava em xeque as expectativas e estereótipos que os indivíduos possuíam com relação a ela e sua deficiência.

São nesses momentos que vemos a importância de algumas datas, como a que se comemora nessa semana o Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de Down. A data é importante não somente para exaltar as diferenças e potencialidades das Pessoas com Down, mas também para sabermos que sempre é possível escapar com elegância dos estereótipos que nos enquadram.


Referências:

GILMAN, Sander L. Difference and Pathology: Stereotypes of Sexuality, Race, and Madness. Cornell University Press, 1985.

MELLO, Anahí Guedes de; GAVÉRIO, Marco Antônio. Facts of cripness to the Brazilian: dialogues with Avatar, the film. [Fatos da aleijadice à brasileira: diálogos com Avatar, o filme]. ANUÁRIO ANTROPOLÓGICO, p. 43-65, 2019

Na foto, uma mulher e uma criança com Síndrome de Down brincando com pinceis e tintas. Por cima, o texto: Estereótipos e Pessoas com Deficiência

voltar para o topo